Cuidados com o recém-nascido

 

O nascimento de uma criança é motivo de alegria, mas também de grande ansiedade para a maioria dos pais, pois a responsabilidade de cuidar bem daquele ser tão frágil é muito grande.  As primeiras semanas costumam ser de muita tensão, especialmente porque os pais têm dificuldade para identificar os motivos do choro do bebê.

Quando nasce, o bebê depara – se com um mundo novo, completamente diferente daquele que conhecia dentro do útero de sua mãe. Por esse motivo, precisa desenvolver habilidades para se adaptar a essas novas condições de vida e organizar, dentro de si, uma nova visão de mundo.

O que devemos fazer: Tocar, acariciar, alisar o seu bebê, pegá – lo no colo e aconchegá – lo são as melhores formas de transmitir amor e segurança necessários para o desenvolvimento progressivo da autonomia de seu filho.

Não se desespere! A insegurança gerada pela chegada de um novo ser na família logo desaparece, quando todos percebem que são capazes de exercer sua função nos cuidados com o bebê. Aos poucos a casa volta ao normal e o bebê começa a se adaptar a tudo e a todos. Com a intensa interação entre vocês, o vínculo afetivo que já estava presente, torna – se mais forte a cada dia!

lu1

O choro

O choro é a principal forma de comunicação do recém-nascido. No entanto, a reação emocional dos pais diante do choro do bebê é muito variada e pode oscilar desde sentimentos como preocupação até irritação e desespero, fazendo os pais chorarem junto com o bebê sem saberem que atitude tomar.

Os recém-nascidos choram devido a estímulos fisiológicos ou ambientais. Por esse motivo, muitas podem ser a razões desencadeantes do choro: sede, fome, frio, calor, necessidade de atenção, carinho e muitos outros incômodos.

A adaptação do bebê ao mundo acontece lentamente e seu choro revela sempre algum sentimento de desconforto, como excesso de roupas, pouca roupa, fraldas excessivamente molhadas, fome, febre, náuseas, etc. Nessa fase a cólica é a principal causa para o choro.

Como identificar a cólica?

Em geral, os sintomas de cólica aparecem quando o bebê está com duas ou três semanas de vida e, muitas vezes, surgem no mesmo horário, em vários dias seguidos. A crise de cólica tem duração variável, podendo desaparecer em minutos ou durar até horas. Ás vezes, a cólica cede de forma brusca e espontânea, levando o bebê a dormir horas seguidas, para amenizar o cansaço.

Quais as causas da cólica?

Existem várias causas para a cólica e raramente ela está relacionada a alguma doença. Na maioria dos casos, as crises desaparecem em torno dos quatro meses de vida do bebê. O desaparecimento gradativo das cólicas é um alívio para os familiares. O comportamento é influenciado pelo ambiente familiar, portanto, um ambiente calmo contribui muito para o bebê ficar mais tranquilo.

Evacuações

As primeiras evacuações do recém-nascido são de coloração escura, chamadas de mecônio. O mecônio é uma substância de tom marrom esverdeado, viscosa, produzida pelo feto e que é, normalmente, expelida nas primeiras horas após o nascimento.

Assim que a amamentação se inicia, as fezes passam por uma fase de transição. Nessa fase, a cor das fezes modifica – se até atingir uma coloração amarelada ou castanho – esverdeada, podem conter coágulos de leite e costumam ser liquidas. Essa transição ocorre normalmente em torno do quarto ou quinto dia de vida.

A frequência das evacuações varia de 5 a 8 vezes ao dia 1 vez a cada 5 ou 7 dias. A consistência das fezes também é bastante variável e pode apresentar – se liquida a pastosa no mesmo dia.

A urina

Nos primeiros dias de vida, a urina do recém-nascido costuma conter cristais de urato em abundância, o que deixa uma coloração rosada na fralda. Depois desse período, torna – se uma coloração bem clara e a quantidade de urina aumenta, principalmente no bebê que mama exclusivamente leite materno, pois é bem hidratado.

A troca de fraldas

A presença de fezes e o acúmulo de urina na fralda irritam a pele do bebê e a umidade retida é uma das principais causadoras de assadura. Por isso, a troca de fraldas e a higiene da pele devem ser realizadas sempre que o bebê estiver com a fralda suja de fezes ou urina.

O que devemos fazer?

Colocar todo o material necessário para a higiene em local próximo, mas fora do alcance do bebê.

Limpar o bebê utilizando algodão umedecido em agua morna. Você deve retirar o excesso de fezes e urina, sempre fazendo movimentos em sentido da frente para trás, para evitar a contaminação da uretra (canal por onde sai a urina) com resíduos de fezes. Nos meninos, não há necessidade de retirar o prepúcio durante a higiene da pele.

Lenços de limpeza podem ser usados eventualmente, ou seja, troca de fraldas longe de casa, onde não há como usar o algodão com água morna.

Após a limpeza da pele, secar bem a área com uma toalha – fralda.

Aplicar uma fina camada de pomada á base de óxido de zinco para proteger a pele do bebê e prevenir assaduras.

Colocar uma fralda de tamanho apropriado para o peso do bebê.

Importante!!!

Algumas meninas podem apresentar uma secreção vaginal esbranquiçada ou ligeiramente sanguinolenta, ocasionada pela passagem de hormônios maternos, durante a gestação. Essa secreção é considerada normal e a limpeza nessa região deve ser feita delicadamente.

Produtos para a prevenção de assaduras e irritação da pele do bebê

Os recém-nascidos urinam até vinte vezes ao dia e, mesmo que diversas trocas de fraldas sejam realizadas, a pele ainda fica sujeita á irritação. Por esse motivo, há algum tempo, eram bastante utilizados talcos e amido de milho para prevenir assaduras, diminuindo a umidade na área das fraldas.

No entanto, a possibilidade de o bebê aspirar o talco em dispersão no ar, bem como a maior chance de surgirem infecções por fungos em decorrência do uso do amido de milho, tornaram o uso desses produtos desaconselhável.

Atualmente, encontram – se disponíveis comercialmente pastas, cremes e pomadas para a proteção da pele do bebê. Esses produtos normalmente contêm óxido de zinco, que produz uma camada de proteção sobre a pele, diminuindo a chance de irritação e prevenindo as assaduras.

O coto umbilical

Logo após o nascimento, o cordão umbilical é cortado e é colocado um clamp (grampo de plástico). A pequena porção do cordão umbilical que ainda permanece no bebê, medindo cerca de 2 a 3 cm, é chamada de coto umbilical.

Inicialmente, o coto é esbranquiçado, úmido e gelatinoso. Nos dias subsequentes ao nascimento, torna – se seco, escuro e mumificado.

A queda do coto ocorre normalmente entre o quarto e vigésimo dia, podendo, em alguns casos, ultrapassar trinta dias, sem que haja necessidade de qualquer intervenção.

lu2

 

O que devemos fazer?

Limpar o coto após o banho e a cada troca de fraldas, se o coto tiver sido molhado por urina, houver secreção ou fezes.

Utilizar gazes ou hastes flexíveis com ponta de algodão (cotonete) embebidas em álcool a 70% para a limpeza.

Limpar inicialmente a base e depois todo o coto, fazendo movimentos circulares.

Deixar secar até o coto endurecer e cair.

Não utilizar faixas, curativos oclusivos ou qualquer outro produto sobre o coto.

Consulte o pediatra se perceber alguns dos seguintes sintomas: vermelhidão na pele ao redor do coto, secreção com mau cheiro ou secreção purulenta.

Ás vezes, o bebê reclama quando é realizada a limpeza do coto, mas o choro é devido ao contato do álcool, em temperatura mais fria com a pele, e não á dor. O coto umbilical não possui intervenção, portanto, o recém-  nascido não sente dor ao seu manuseio.

Cuidados com a boca

A higiene

Devemos passar uma gaze em água filtrada na gengiva do bebê após cada mamada noturna, mesmo que ele ainda não tenha dentes. A higiene oral deve ser feita, mesmo sem dentes, para evitar acúmulo de bactérias na boca e prevenir a cárie. É também uma forma de criar o hábito da higiene bucal.

O banho

Preparar o material necessário paro o banho

Lavar a banheira antes do banho com água e sabão. A banheira deve ser utilizada somente para o banho do bebê!

Colocar água morna (temperatura em torno de 37 a 38° C).

Utilizar sabonete neutro e apropriado para a pele do bebê.

Iniciar o banho lavando a face, a cabeça e, e seguida, o tronco e o resto do corpo, deixando por último os genitais e o bumbum, para evitar possíveis contaminações.

Lavar o coto umbilical normalmente durante o banho.

Após o banho, enxugar o bebê delicadamente com uma toalha-fralda macia, iniciando pela face e cabeça, descendo pelo restante do corpo e tendo o cuidado de enxugar bem as dobrinhas (pescoço, axilas, virilha etc.), para evitar assaduras.

Limpar o coto umbilical com álcool a 70%.

Passar creme para proteção contra assaduras e colocar fralda descartável.

Vestir o bebê com roupas confortáveis e adequadas á estação.

lu3

O banho de sol

O banho de sol pode ser dado no recém-nascido desde a alta da maternidade e tem a finalidade de ativar, por meio dos raios ultravioletas do sol, a provitamina D existente na pele e essencial á formação óssea.

O sono

Os recém-nascidos dormem praticamente o dia todo (16 a 20 horas diárias de sono), acordando apenas por fome ou outra sensação de desconforto.

O bebê que nasce com peso normal costuma fazer intervalos de sono de 3 a 4 horas entre as mamadas, porém se o intervalo for menor, deve ser amamentado da mesma maneira.

lu4

 

Fonte: Filhos da gravidez aos 2 anos de idade.

Escrito por Luciana Faro. Consultora Materna e Assessora de Babywearing.

www.lucianafaro.com.br

facebook.com/querocoloslings


Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s